WillingToLive

> Viagem > História-da-foto, Peru, Ica, Táxi, Trânsito, Batida, Perseguição, Polícia, Caos

Pegando um táxi "confiável" em Ica no Peru - História da foto

Era novembro de 2015. Eu estava passando 1 mês no Peru. Conhecendo esse país incrível e dando um “reset” na minha vida. Além de fotografar muito por lá, eu também tenho algumas histórias de viagem bem interessantes para te contar :). Esta história é sobre o trânsito maluco no Peru.

Naquele dia, eu estava hospedado em Ica e apenas queria ir para a cidade vizinha de Nazca para ver as linhas de Nazca. Mas o trânsito no Peru tem suas surpresas e eu acabei tendo uma aventura antes da aventura propriamente dita em Nazca enquanto ia de táxi para o terminal de ônibus.

Ah, Filipe… que bobeira… Qual a graça de pegar um táxi?

Uma pequena batida, seguida de uma perseguição e até com polícia envolvida está bom para você? Hahahaha :P Sim, tipo um filme!

Deixa eu te contar como foi, vamos para a história…


Essa foto é do trânsito maluco de Arequipa. Eu gosto bastante dela e estou usando para representar o trânsito das cidades do Peru. Congestionamentos são realmente um problema em Arequipa, além deles dirigirem como loucos assim como em Ica. Entretanto, as histórias pegando táxi em Arequipa não são tão interessantes quanto as de Ica. Então, continue a leitura :) | ISO 160; 168mm equiv.; f/4; 1/800s
Essa foto é do trânsito maluco de Arequipa. Eu gosto bastante dela e estou usando para representar o trânsito das cidades do Peru. Congestionamentos são realmente um problema em Arequipa, além deles dirigirem como loucos assim como em Ica. Entretanto, as histórias pegando táxi em Arequipa não são tão interessantes quanto as de Ica. Então, continue a leitura :) | ISO 160; 168mm equiv.; f/4; 1/800s

História da foto de viagem, táxi em Ica, Peru

Eu comprei o passeio das Linhas de Nazca com a ajuda do hotel em que me hospedei em Ica. O hotel também me ajudou com o translado, mais especificamente com o ônibus e o agendamento do táxi “de confiança” para me levar ao terminal de ônibus para que eu pudesse chegar em Nazca. O hotel era muito bom, exceto por essa recomendação do taxista, hahaha.

Eu estava sentado na recepção esperando o táxi chegar. Ele estava atrasado. Então, perguntei ao recepcionista. Ele ligou para o motorista do táxi e me disse que ele estava quase chegando…

Mais alguns minutos se passaram e nada… Perguntei para ele novamente e… Filipe, ele está um pouco atrasado, mas você vai chegar no horário certo para pegar o ônibus, não se preocupe. Eu confiei no que ele disse e esperei. Mas sabe como é, né? Jeitinho brasileiro existe em outros lugares também, no caso jeitinho peruano ;).

Depois de mais alguns minutos, o táxi chegou. O motorista foi muito cordial e se desculpou. Embarquei, sentei no banco de trás do lado oposto ao motorista e seguimos para o terminal. Mas…

Imagine uma avenida grande. Com dois sentidos e algumas faixas para cada um deles, sendo que o canteiro central é bem largo, tem espaço até para árvores e locais para cruzar de um lado para o outro da avenida. Hum… talvez não seja tão simples de imaginar, né… Então, vamos pedir ajuda pro Google StreetView. Estou falando desse lugar:


O trânsito era intenso. Era uma bagunça como em Arequipa, mas diria que ainda pior. O motorista conseguiu cruzar para o retorno no canteiro central, mas tinham vários outros carros fazendo a mesma coisa junto com alguns “tuctucs”/mototaxis, esses veículos de 3 rodas que você viu na foto do Google acima.

Consegue adivinhar o que aconteceu? O taxista estava fazendo a curva dentro do retorno para pegar o outro lado da avenida, mas um mototaxi ao lado estava fazendo a mesma coisa e…. batida… sim… deu uma boa raspada no tuctuc. E sim, o taxista poderia ter evitado, mas enfim… já era tarde.

O motorista do mototaxi ficou imediatamente bem bravo. Pulou para fora do seu carrinho de 3 rodas e veio na nossa direção “conversar” com o motorista do táxi.

Eu disse que a história era interessante. Bom, para você que está lendo, né. Eu estava atrasado para o ônibus e nem um pouco a fim de aparecer nos noticiários da cidade hahaha.

Chuta o que aconteceu?

O motorista do táxi acelerou e escapou do local da batida! Wow!! Cacilds, esse motorista ta doidão! O cara ta fugindo! Meu Deus!

Eu ainda acho que na cabeça dele se passava algo como: “Eu estou de carro, o outro cara é só um mototaxi. Ele não vai conseguir me alcançar. Já era, blz! Vou fugir. Pega nada”

Mas o motorista do tuctuc estava bravo…

E o trânsito estava ruim…

Creio que não é muito difícil de adivinhar que de repente o mototaxi apareceu pela nossa direita correndo que nem doido, nos passou e nos fechou.

Agora você não vai acreditar. Mas aconteceu mesmo. O taxista bateu no tuctuc de novo!! Ele não parou o táxi tão rápido como deveria e bateu na traseira do tuctuc quando ele nos fechou. Até eu me perguntei. É sério isso? O cara bateu no mesmo carro duas vezes? Ta de brincadeira! Aí já da vontade de rir né, hahahahaha. É um mané esse motorista.

O motorista do tuctuc já estava bem bravo, depois da segunda batida o cara ficou insanamente bravo. Fiquei assustado. Mas o taxista estava de boa, super calmo, sorrindo, como se nada estivesse acontecendo, num estado “don’t worry, be happy”. Ele parecia se comportar como se fosse superior e nada pudesse com ele. Era meio estranho. Será que o jeitinho peruano é tão intenso assim?

Novamente, o motorista do mototaxi veio na janela do taxista, mas dessa vez ele abriu a janela e eles começaram a “conversar”.

O motorista do tuctuc estava batendo com as duas mãos na porta do carro, na região onde entra e sai o vidro, mas mais para a lataria. Não estou brincando, ele batia forte, bem forte. Deve ter até amassado. Ele batia, batia, batia e enquanto isso dizia algo como:

Você bateu no meu carro duas vezes!!! Você bateu no meu carro!!! Duas vezes!!! Você bateu!! Bateu!! Você está doido??!?!? Não sabe dirigir?!?!?! Vai ter que pagar o conserto!! …

Então, aí ele falou:

Me dá sua carteira de motorista e seu documento!!

O taxista abriu calmamente o porta-luvas e deu para ele seu cartão de visita. Hahaha engraçadinho, quase um piadista esse motorista.

Cadê sua carteira de motorista?!?!?!?!

Eu não tenho.

Hum, :open_mouth:?! O queeeee?!?!?!?!? Estou num táxi que o motorista não tem nem carteira de habilitação?! Como assim!?!? Que parada é essa? Que raio de taxista é esse?! Eu não disse nada disso na hora, apenas pensei. A situação já tinha problemas o suficiente. Mas você pode imaginar quão bravo o cara do tuctuc ficou né. Foi então que aconteceu outra coincidência que parecia vinda de um filme.

Um carro da polícia estava passando e quando o motorista do tuctuc viu, praticamente pulou na frente do carro para pará-lo e pedir ajuda.

Então, pensei… já era o passeio das linhas de Nazca, lascou de vez :(. Ao menos, com a polícia por perto, nenhum dos dois motoristas vai tentar nada estúpido e nada realmente ruim deve acontecer.

A polícia veio conversar.

Para minha surpresa, o taxista disse que ele estava me levando para o terminal de ônibus bem pertinho dali e que eu já estava atrasado para pegar o ônibus.

O policial deu aquela olhada e disse:

Ok. Você pode levar o passageiro, mas vou junto e vamos acertar isso em seguida.

Nossa! Que incrível, né?

O policial entrou no carro. Nós chegamos no terminal (de fato era perto), o taxista calmamente me explicou onde eu deveria ir para pegar o ônibus dentro do terminal e também me disse que estava tudo bem (ele provavelmente deve ter notado minha cara de assustado e de não acreditando muito no que estava acontecendo). Eu respondi para ele “cuidate”, uma expressão que escutei bastante no Peru durante a viagem (já era minha terceira semana por lá), algo como “cuide-se”.

Foi isso, tem mais não ;). Não faço a mínima ideia do que aconteceu depois. Apenas sei que peguei o ônibus ainda no horário e vi as linhas de Nazca algumas horas depois.

E você? Já passou por poucas e boas pegando táxi por aí? Compartilha sua história com a gente nos comentários abaixo! :)