Nickolas Ranullo Escrito por Nickolas Ranullo (@NickolasRanullo)

A simplicidade do olhar

Ponto final.

Um ponto final, normalmente, é usado justamente para fazer o que o próprio nome diz: finalizar algo. O meu ponto final, porém, teve também o efeito de renovação. Eu me lembro de como foi a noite do dia 9 para o dia 10 de julho de 2016.

Eu me lembro de estar cansado sobre uma das coisas que mais tinham me feito bem nos cinco anos anteriores. Eu me lembro do desgaste que duas pessoas podem causar uma para a outra. Tudo isso que eu sentia me fez, finalmente, dar um basta.


"A gente sabe quando o amor acabou", texto de @zackmagiezi
“A gente sabe quando o amor acabou”, texto de @zackmagiezi

Eu terminei o meu relacionamento e, apesar de sentir que um “peso” saia dos meus ombros, eu não conseguia dormir. Lembrei que, por acaso, na manhã do domingo aconteceria um evento para o qual eu tinha me inscrito, o “Click a Pé Stella Artois”.

O lugar era um antigo convento, pelos lados do Ipiranga e acabou me parecendo um convite mais do que interessante para que eu cansasse mais o meu corpo para que dormisse melhor quando conseguisse.

Eu sempre gostei de fotografia, mas sempre vi a ideia de “boas fotografias” estar muito distante da minha realidade. Sempre pensei que o equipamento tornava-se parte essencial para que os resultados fossem aqueles que eu via por aí.


"Primeiro <br> Saiba que tudo é finito <br> Segundo <br> Crie momentos eternos" <br> texto de @zackmagiezi
“Primeiro
Saiba que tudo é finito
Segundo
Crie momentos eternos”
texto de @zackmagiezi

Então, quando cheguei no convento para participar desse meu primeiro Click a Pé e vi os fotógrafos armados com câmeras e lentes lindas, me senti sim um pouco acuado. O clima que existe durante os passeios, porém, foi fazendo com que eu ficasse, pouco a pouco, mais à vontade.

Fui fazendo minhas fotos e, quando dei por mim, a minha cabeça já não pensava mais no que tinha acontecido antes, ela só pensava no que aconteceria a seguir, no que eu fotografaria.

O tempo foi passando, eu comecei a participar mais ativamente do Click a Pé e, embora minha timidez não me faça ser uma das pessoas que mais conversa, eu passei a compartilhar minhas fotos com o grupo e sempre recebi críticas e dicas que me foram úteis e que me fizeram apenas crescer mais e mais.

Um ano se passou e, por um acaso muito grande, um novo Click a Pé aconteceu no Ipiranga, mas dessa vez no Parque da Independência. Eu lembro de passar pelas ruas do bairro, como tinha passado um ano antes, e pensar em como muitas coisas na minha vida tinham mudado. Eu me sentia uma pessoa melhor, eu me enxergava como alguém que via o mundo com outros olhos, com outra visão e que buscava, sempre, ter um ponto de vista mais bonito sobre a vida que me cercava.

Passei, então, a andar cada vez mais atrás de novos pontos, novos olhares, novas memórias. Sozinho, muitas vezes. Acompanhado, em outras tantas. Mas nunca mais, parado. A vida é movimento.


"Encantado <br> Encontro você <br> Em cada canto" <br> texto de @eumechamoantonio
“Encantado
Encontro você
Em cada canto”
texto de @eumechamoantonio

Eu cresci. Hoje fazem pouco mais de dois anos que eu saí de casa, ainda pela manhã de um domingo, decidido a fazer coisas diferentes. Eu nunca pensei que, apenas munido de um celular, eu seria capaz de olhar o mundo que me cerca e registrá-lo de uma forma bonita e que não só alcançasse outras pessoas, mas que também tocasse e servisse de inspiração de alguma forma.

Eu demorei a entender que, o que faz uma pessoa olhar o mundo de um jeito mais bonito não era o equipamento que ela usava, mas sim seu próprio olhar.

Hoje eu sigo com meus registros. O tempo e algumas oportunidades, porém, fizeram com que as fotos já não sejam mais feitas apenas no celular, mas também numa câmera simples, de entrada, mas que serviu como uma motivação para que eu seguisse na luta por uma melhora minha, por uma evolução do meu pensamento, do meu olhar…

A lição que tomei pra mim, ainda sim, é a mesma de sempre: a vida não é fácil e nem é um grande mar de rosas.

Eu entendi isso quando olhei para os espinhos da vida e enxerguei neles uma beleza diferente. Eu passei a registrar também nos dias em que espinhos aparecem no meu caminho, pois sei que, de alguma forma, outra pessoa ali enxergará uma rosa. E se essa outra pessoa pode enxergar uma rosa, eu também posso. E se ambos enxergarmos beleza ali… É pela vida ser linda exatamente como ela é.

Se você não enxerga isso ainda, eu só posso pedir uma coisa: abra, mais do que seus olhos, a sua cabeça, o seu coração e, por fim, você enxergará essa beleza. Eu garanto.


"É possível encontrar a felicidade mesmo nas horas mais sombrias, basta se lembrar de procurar pela luz". Frase do personagem Dumbledore, do universo do Harry Potter.
“É possível encontrar a felicidade mesmo nas horas mais sombrias, basta se lembrar de procurar pela luz”. Frase do personagem Dumbledore, do universo do Harry Potter.